Ansiedade

 

Ultimamente você vem se sentido sem paciência pra nada? Com dificuldade de ficar quieto e parado? Irritando-se facilmente com qualquer pessoa? Com dificuldade de concentração ou com brancos na memória? Com dores musculares e dificuldade para dormir? Suas férias mal terminaram e você ainda se sente cansado? Se você disse “SIM” a todas essas perguntas, é provável que você esteja com sinais de ansiedade.

A agitação da vida moderna tem contribuído para o aparecimento cada vez mais crescente de pessoas ansiosas. Quem hoje não se preocupa com horários, trabalho, metas, trânsito, família, violência, finanças?

Entretanto, quando essas preocupações tornam-se constantes e excessivas elas começam a interferir nas funções físicas e emocionais baixando o nosso sistema imunológico. É neste momento que podem surgir as chamadas doenças psicossomáticas, aquelas capazes de interferir no metabolismo e na dinâmica do corpo como gastrite, úlcera, cefaleia, insônia, hipertensão, colite etc. A ansiedade, quando não tratada, pode levar aos transtornos de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, transtorno obsessivo compulsivo, fobias, estresse pós-traumático e depressão.

Perfil da Pessoa Ansiosa: Pessoas ansiosas geralmente são muito exigentes consigo mesmas. Acumulam atividades e responsabilidades além da conta. Não sabem descansar. Não sabem dizer NÃO. Culpam-se o tempo todo. São viciadas em se preocupar. Preocupam-se demais com o que pode acontecer no futuro. Têm medo do novo, querem controlar tudo e, geralmente, sofrem por antecipação.

São pessoas que não param de pensar nos problemas, principalmente à noite. Consequentemente vem a insônia como resultado deste estado de ansiedade. A falta de descanso leva à dificuldade da recuperação das forças vitais, da renovação corporal e da elaboração do que foi vivido durante o dia.

O aumento da ansiedade leva à uma diminuição da força físico-afetiva e da capacidade para reagir satisfatoriamente à mudanças. Por exemplo, uma pessoa pode perceber que não está correspondendo satisfatoriamente a uma situação que normalmente resolveria sem maior esforço; tem dificuldade para se adaptar a uma mudança simples no trabalho ou na escola; fica a ponto de se derreter em lágrimas sem ao menos saber por quê. E assim prossegue até se sentir deprimida, sem forças para enfrentar situações corriqueiras.

A ansiedade afeta crianças, jovens e adultos. Porém, verifica-se um grande número de crianças e adolescentes que sofrem de ansiedade devido ao acúmulo de atividades, além das exigências da família, da escola e do grupo social. É comum jovens que procuram as drogas como forma de aliviar a ansiedade.

Se você se encaixa em, pelo menos, três dos sintomas acima, é provável que esteja sofrendo de Transtorno de Ansiedade.

Tratamento

Quando a ansiedade começa a interferir física e emocionalmente, está na hora de buscar ajuda de um especialista médico e/ou psicólogo. Aceitar que precisa de ajuda é o primeiro passo para o tratamento.

Quando necessário, ISRS (inibidores seletivos da recaptação da serotonina) + ansiolíticos e/ou antidepressivos forma uma boa dupla. Em alguns casos, o uso de medicação é útil para corrigir desequilíbrios químicos responsáveis pelo surgimento da ansiedade. Neste caso só o médico poderá determinar que tipo de medicação é a mais adequada para cada situação.

Na terapia a pessoa aprende a identificar seus pensamentos ansiosos, os sentimentos e as sensações causadas por esses pensamentos, como angústias, raivas, culpas, tristezas e como lidar com suas emoções. Aprende a se perdoar e a mudar crenças limitantes. Aprende a criar novos hábitos através das mudanças de comportamentos. Aprende a equilibrar-se, amando-se e respeitando seus limites. Aprende a relaxar.

 

Selma Amaro

Psicóloga e Coach

contato@selmaamaro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *